A Vantagem de Ter um Blog

Pôster_As_Melhores_Coisas_do_MundoAnos atrás, não lembro como e não lembro o porquê, assisti um filme brasileiro chamado “As Melhores Coisas do Mundo”. Não é exatamente o tipo de filme que eu assistiria novamente, mas, considerando que é um filme para jovens e adolescentes, não achei que fosse um filme  ruim. O trecho que mais achei interessante do filme mostra o drama de um jovem músico, de espírito romântico e poético, que mantém um blog. Deprimido e sem perspectiva, o jovem sensível decide que é hora de dar cabo à própria vida. Por hábito, acaba confessando seu projeto suicida em seu blog. Acontece que praticamente ninguém da família dava atenção à sua vocação literária. Todas as pessoas próximas estavam ocupadas demais trabalhando e tentando não enlouquecer nas suas rotinas. Se dependesse delas o plano suicida do poeta jamais seria descoberto. Coube a um personagem de fora das relações familiares: (1) perceber a sensibilidade poética do rapaz; (2) ler o blog; (3) compreender o que estava acontecendo; e (4) alertar a família.

Embora essa história nos seja vendida como ficção, existe nela um quadro muito preciso que mostra as consequências trágicas da – infelizmente comum – família iletrada brasileira. Família que desperdiça seu tempo com qualquer forma de entretenimento menor e vácuo, mas que raramente se dá ao luxo de se aventurar pela leitura, nem mesmo quando tem um de seus membros como escritor (e não estamos falando aqui das famílias “pobres e sofridas”, porque, cá no Brasil, iletrado  é uma categoria que engloba do açougueiro ao estudante de graduação médio, e que vai do político ao empresário).

Pouco importa se o filme é ficcional ou não, importa que há nele um retrato fidedigno de uma realidade. Não é de hoje que noto a incapacidade das famílias brasileiras de compreender e lidar com os filhos, especialmente quando eles são rebeldes, românticos e artistas. Você já ouviu falar de um pai ou mãe que chegasse a ler os livros do filho só para conhecer melhor o universo mental dele? Pois é, nem eu. E fazer isso seria algo absurdo? Será que é alguma espécie de impossibilidade metafísica?

Sou blogueiro e escritor iniciante e conheço e interajo com vários outros blogueiros e escritores. Dois amigos meus eram poetas. Os dois mantinham blogs. E lá estava, em seus blogs, a prova de uma sensibilidade elevada e de uma profunda angústia e desespero diante do mundo.

Os dois cometeram suicídio.

Depois soube que praticamente ninguém da família deles sabia dos blogs, e os que sabiam não liam. Mesmo dentre os amigos, eu fui um dos poucos que sabia e lia.É impossível não me perguntar se meus amigos estariam vivos se suas famílias não fossem iletradas. Supondo que seus familiares fossem capazes de reconhecer e admirar a sensibilidade deles, suas tragédias teriam se consumado? Não tenho resposta para essa pergunta, apenas especulação.

Então, querem saber a vantagem de ter um blog? É simples: você pode falar mal à vontade dos seus familiares  quando eles forem estúpidos. Afinal de contas, eles não vão ler mesmo. Quer guardar um segredo dos seus parentes e mesmo da maioria dos seus amigos?

Faça um blog e escreva.